10 Pequenas Grandes alegrias na vida da Mulher

Ser mulher é uma coisa incrível, assustadora e bizarra. É uma coisa louca esse negócio de hormônios, sexto sentido e pequenos problemas que encaramos no dia a dia, mas ficamos felizes quando não passa de um alarme falso ou o resultado é positivo.

Então, hoje listei pequenas alegrias que na verdade são enormes no momento ou pela surpresa, pelo alívio e por nos fazer sentir incríveis.

1 – O desespero ao achar que a menstruação desceu com tudo, correr para o banheiro para ver o estrago morrendo de vergonha que deve estar com a roupa toda manchada e descobrir que foi só uma gotinha.

giphy-7

Nos tempos de colégio, lembro de pedir pras amigas me esperar na hora de sair pro recreio depois de todos e conferir pra não passar pelo pátio todo na frente de todos. Depois de adulta, é sempre aquela coisa de dar uma olhada na cadeira ou conferir em algum espelho. É um eterno medo de ter vazado, de ter manchado, de marcar a roupa, o assento, a vida, a imagem!

2 – Se irritar por estar irritada com tudo e então olhar no calendário e descobrir que é uma tpm. Um super alívio de não ser tão louca assim.

giphy-6

Todo mês a mesma coisa, vai chegando uns dias que vem a fome, os desejos, a tristeza, a irritação, mas quando dá aquele “clic” que esse furacão é só mais uma tpm que chegou. E é claro que nunca ficamos contando no calendário quando ela vai chegar, muito menos como. As vezes chega com as lágrimas, outras com dores de cabeça e tem aquelas que chegam com tudo, querendo gritar até com o vento que fica fazendo barulho nas janelas.

3 – Bater alguma unha tão forte que só pode ter quebrado ao meio de tanto que doeu, mas olhar e ver que a nossa senhora da unha frágil esteve ao seu lado e protegeu de mais umas semanas coma unha embrulhada em curativo até crescer e poder cortar.

giphy-2

Sinto um alívio inexplicável sempre que não quebra. Minhas unhas são frágeis e já cortaram ao meio passando a mão pelo cabelo ou até abrindo o zíper da calça. Mas algumas batidas doeram tanto que tive certeza que olharia para o dedo e estaria lá, aquela linha dividindo tudo. Mas não, só dobrou e deixou doendo mesmo, sem maiores danos. Tão bom! Ruim, mas bom.

4 – Não encontrar com nenhum conhecido naquele dia que nenhuma roupa ficou boa, inchaço rolando, cabelo não tá bom nem preso em coque, espinhas aparecendo e a vontade de chorar ou bater em alguém varia muito.

Sou resolvida e muitas vezes saio bem sem nada de casa, mas tem dias que mesmo o básico parece que não cai bem, que a olheira tá maior, que o cabelo não abaixou nem com cera ou gel, que tá tudo tão cagado que o melhor é não encontrar ninguém. Não socializar é a melhor coisa. Eu acho, pelo menos.

5 – Ter uma vontade louca por doce, abrir a primeiro gaveta e encontrar aquele chocolate esquecido.

Ah, devíamos sempre esconder doces e esquecer que escondemos. Ter um pote de sobremesa na geladeira e algumas bolachas para nos surpreender nos momentos de necessidade. É tão gostoso querer comer algo, aquela hora desesperadora que precisa mastigar e lá no fundo da gaveta, da bolsa, aquela surpresa linda, bem o que queremos. E quando é algum doce na geladeira que não lembrávamos? Tão lindo.

giphy-8

6 – Alguém ler a nossa mente quando nem nós sabemos o que queremos.

O que vamos jantar? “Sei lá” O que quer comer? “Não sei”, tá com vontade de algo “não sei”. Somos chatas, eu sei, parece que muitas vezes só sabemos falar não sei, não sei, não sei. Pior ainda é quando começam a sugerir e nada satisfaz, nada clica com nossa mente e estômago com aquele “ISSO!”

Mas quando alguém magicamente, sem nem perguntar parece que adivinha o que você nem sabia, ah, que transmissão de pensamento maravilhosa. E olha, geralmente isso está ligado a comida.

7 – Comprar algo que queremos faz tempo para nós mesmas.

Ganhar presente é bom sim, mas passar tempos namorando algo na vitrine e no momento certo ir lá e fazer aquela compra para si. Aquele momento de se presentear. Isso sim é bom! E pode ser qualquer coisa, sapato, joia, lingerie, maquiagem, até mesmo algo para a cozinha.

giphy-4

8 – Tirar um dia para si, sem interrupção, sem pensar em mais nada.

A vida é tão corrida que muitas vezes até o luxo de fazer as unhas no salão tem hora marcada para começar e terminar. Ou porque é no intervalo do almoço, antes de um compromisso, antes de uma consulta. Bom mesmo é tirar um tempo para parar, tomar um café, ir ao cinema, tomar um lanche, fazer uma massagem, sentar no parque, ler e relaxar. Sem precisar correr, olhar pro relógio ou ficar respondendo todo mundo pelo celular.

9 – Colocar uma roupa que ama e não servia há tempos.

Ou não servia, ou apertava e marcava. Fato é que, colocar uma roupa que amamos e optamos por deixar ela lá no armário, aguardando para ser usada um dia quem sabe, novamente. E ela servir? É sensacional. É aquela recompensa por algum esforço, recompensa que vale realmente a pena. E não é tipo poder comer uma sobremesa depois de uma semana de dieta regrada. É poder usar aquela calça depois de muitas mudanças boas.

10 – Ter o cabelo lavado e escovado no salão

Olha, é praticamente impossível obter um resultado de salão nos cabelos em casa com pouco esforço. Ir ao salão mesmo que para cortar as pontas e optar por secar e sair de lá como propaganda de shampoo. Merece até trilha sonora! É quase mágico.

giphy-3

Você vai, senta desconfortavelmente para lavar, aí muda de cadeira para fazer o que for – cortar, mechas, pintar, hidratar – e aí alguém liga o secador potente, faz uns movimentos com a varinha mágica, popularmente conhecida como escova e seu cabelo tá lá, todo solto, com movimento, com volume perfeito, a franja tá certinha, todos os fios comportados. E o cheirinho? Salão tem um dom de ter produto cheiroso, mas diferente de qualquer produto – acho até que se comprarmos o que eles passam pra finalizar e passar em casa, o cheiro não é tão bom.

Melhor ainda é se o tempo tiver bom e não estragar logo que pisar pra fora do salão.

Coisa louca né! O que faltou nessa lista aqui?

Comments

comments

Avatar

Mari Medeiros

Relações Públicas, fotógrafa, maquiadora, conectada e que gosta de fazer de tudo um pouco pra não cair no tédio.