Amor

A cada notícia ruim pelo mundo minhas crises de ansiedade me despertam, tiram meu sono, enchem minha cabeça de medo, questionamentos e o aperto no coração e o frio na barriga não me deixam desligar qualquer pensamento. Batalho com a ansiedade há anos, tenho fases tranquilas que nem lembro, outras fases que preciso me esforçar para manter o foco em algo. Mas a questão não é essa. Vim falar de amor, do mundo e do porque todos nós somos culpados.

Sim, você também é!

Pela manhã, olhando as postagens de algumas pessoas pedindo orações passei o olho por alguns comentários. Não entrei a fundo nas conversas, mas tinha gente justificando os ataques à França com argumentos históricos, que eles estão pagando por isso e aquilo. Ou ainda, comentários de gente disputando por qual problema é maior, que tem que rezar pelo Brasil e não pela França. E isso me fez pensar no quão ridículo – e talvez essa nem seja a definição correta – isso tudo é e como todos nós somos culpados pela expansão da raiva.

Nenhum problema é maior, de ninguém, de lugar algum! E primeiro de tudo, temos que saber ouvir e nos silenciar. Quando seu amigo diz que está doente, passando por dificuldades financeiras, OUÇA! Não quebre a fala com uma sua dizendo que fulano também está bem ruim, que na sua casa também está difícil. OUÇA! Todos nós temos problemas e nenhum é melhor, pior, menor ou maior que o outro. OUÇA! Tenha compaixão, empatia! Se ele compartilha uma dor, um pensamento, um problema com você, dê ouvidos, não diminua ou neutralize. Se não pode ajudar ou consolar, só ouça, responda com um hmmm, putz, eita, dê um aperto de mão, um abraço, um afago no coração e siga em frente.

O sentimento de raiva, angústia existe sim e quando alimentamos ele se expande, verbalizamos, explodimos, apontamos para o outro, atingimos inocentes. E tudo isso, a troco de quê?

Então, ajude a sua casa, sua comunidade, você, o mundo, ao ouvir e silenciar. Não precisa arranjar briga para tudo. O vizinho faz barulho? Não precisa criar um caos, algumas atitudes muito mais humanas vão resolver. Tem alguém em sua vida que pisa no seu calo, tira do sério, acaba com sua paciência? Afaste-se! Algo errado no trânsito? Não precisa mandar ver na buzina, abrir a janela e disparar todo o repertório de xingamentos e palavrões – você só piora o trânsito, seu dia, o dia de várias pessoas e quem errou não vai aprender com essa barulheira toda. Encontre paz no silêncio. Não tente encontrar justificativas e desculpas por atos alheios, não defenda ou julgue o que não cabe a você. Chega de “ah, mas só estou comentando”. Você não precisa comentar tudo, não precisa criticar tudo achando que vai ajudar falando a SUA verdade, não precisa justificar atitudes alheias – estupro, assalto, agressão, corrupção, torcida organizada, nada!

Lutar por seus direitos não quer dizer brigar, agredir, destruir. Dar sua opinião quando ninguém está pedindo por ela.

growing-heart

Amar e rezar vai ser sempre a melhor atitude e resposta! Hoje e sempre. Não importa a religião ou crença. Sempre que ouvir algo ruim, encarar uma dificuldade, feche os olhos e reze, com o coração, com amor, mande energia boa, peça para o seu deus, para todos os deuses, reze pela humanidade, pela falta dela. Combata com amor sempre!

Então vamos lembrar de respirar com ou sem crise de ansiedade, vamos pensar antes de comentar algo que parece tão bobo, vamos ouvir, ouvir o amigo, o vizinho, os mais velhos, os mais novos, vamos ouvir o mundo. Se queremos um mundo com mais paz, ela começa em casa, no condomínio, na comunidade, no grupo de amigos, nas ruas. Distribua paz por aí, mesmo com o coração partido!

Comments

comments

Mari Medeiros

Relações Públicas, fotógrafa, maquiadora, conectada e que gosta de fazer de tudo um pouco pra não cair no tédio.

Leave a Reply