DIY – Reformando um móvel

Tem um gaveteiro aqui em casa que deve ser mais velho que eu, mas continua forte, mesmo com tantas mudanças de casa. Uns cantinhos mais gastos, uns adesivos da minha irmã e uma cor amarelada e sem graça, mas muito útil.

E então quando decidi planejar meu quarto, quis usar mais cores e sair do tradicional branco ou marrom que meu quarto sempre foi. E a cor decidida foi o azul.

Nem todo mundo tem dinheiro para pagar um marceneiro, mesmo porque, se tivesse, teria dado essa peça e comprado outra, mas não, respeito ao móvel velhinho. Enfim, lá fui eu atrás de dicas para fazer isso sozinha, um blog aqui, um notícia de jornal ali, um curso de decoração DIY alí, e lá fui eu às compras.

E o que eu usei inicialmente foi lixa. Eu não, dou crédito aqui ao meu namorado que veio com lixadeira e tudo, fazer força e deixar a peça lisa. Depois de uma camada de verniz e muita poeira a peça ficou lisa, fosca e suja, quer dizer, a pele, cabelo, o chão, tudo ficou muito sujo. Mas tá aí, esse é o passo inicial. Para quem for tentar, vale lembrar que é mais fácil esse trabalho todo com peças de superfície lisa, se você tem contornos, desenhos e talhos para lixar, ou esqueça suas unhas e tenha muita paciência, porque é trabalhoso e para dar certo tem que lixar MUITO!

Enfim, hora de passar um pano para tirar o excesso de pó e depois outro pano úmido para tirar até dos cantinhos.

Em seguida eu aproveitei uma tinta branca que tinha sobrado da pintura das paredes de casa para fazer a base. É tipo esmalte de unha sabe? Nem sempre a cor fica certa, sempre fica melhor se colocamos uma base neutra. Uma mão de tinta branca com rolinho de espuma e com o calor secou rapidinho.

Atenção, nada de vento enquanto você pinta a peça, novamente, é como esmalte de unhas, vai encher de bolinhas.

Uma dica MUITO importante, se o piso da sua casa for algo como tapete ou carpet, não adianta cobrir, eu não sei como, a tinta passa o jornal, a lona, o que quer que seja. Então muito cuidado nessa parte.

Quando fui comprar a tinta, falei as medidas da peça e pedi ajuda do vendedor com relação a quantidade e acabei com 2 litros de tinta azul, sendo que não usei nem metade. Um litro seria ideal.

E lá fomos nós para a tinta azul. Uma primeira mão sem muita cobertura de cor, na segunda mão a cor começou a pegar e então fomos nos atentar aos detalhes de onde ficou mais transparente. Secou?

Olhei com a luz natural e reparei bem aonde faltou algum retoque e lá fui eu passar o rolinho por tudo novamente. E acho que terminou.

E não é que deu certo? E ainda enfrentei um cabideiro que eu tinha da mesma cor e passei a tinta azul pra combinar.

Logo eu compartilho com você a comoda realmente finalizada, com puxadores e tudo e o quarto praticamente pronto.

– Ok, eu li meu post e eu misturo narração em primeira pessoa e descrição, mas é que eu conto como foi e como vocês devem fazer também, tudo junto assim.

Comments

comments

Mari Medeiros

Relações Públicas, fotógrafa, maquiadora, conectada e que gosta de fazer de tudo um pouco pra não cair no tédio.

  • Gostei do resultado :-)

  • Obrigada Anita! =) Depois você vai ver com os puxadores e tudo.
    Beijos