Meu namorado me troca pelo jogo

Este post foi escrito em março de 2015. Na época a ideia era ajudar quem estava um relacionamento com alguém que tinha o hábito de jogar constantemente. De lá pra cá eu passei a odiar esse post e a quantidade de acesso nele, mas mais ainda, os comentários e as mensagens que recebo.

Meu marido joga, caso você leia e pense “nossa, ela não sabe do que está falando”. Para todos os outros comentários que recebi até hoje, o que eu penso desde então é:

1 – Todo mundo tem escolha! Ele de jogar e não ficar com você. E você de reclamar, de ficar esperando, de brigar, de se afastar, de terminar ou o que quiser fazer. ESCOLHAS!

2 – Se atrapalha a vida dele/dela, você pode até conversar para oferecer ajuda, mas é a pessoa quem terá que resolver esse probleminha né?

3 – Se a relação de vocês é saudável e vocês conseguem balancear momentos de cada um, perfeito! Sejam felizes. Você não precisa desse post.

De resto, o que posso dizer aqui, alguns anos depois é que: cuida de você! Sei que tem amor, sofrimento, dúvida. Mas não prioriza isso. Cuida de você ;) Faça suas escolhas. E sempre, sempre, sempre, tente dialogar!

Computador, vídeo game, baralho e futebol. Os maiores inimigos das mulheres quando estão namorado, ou pelo menos é assim que elas definem. Tem mulher que joga? Claro que tem, o mundo tá cheio de gamers, algumas que encaram isso como hobbie sério e outras como profissão.

giphy

Mas vamos falar deles, quando eles jogam e a guerra que elas criam por causa disso.

Vamos começar com um primeiro fato: Quando vocês se conheceram, começaram a conversa, o flerte, ele já tinha o hábito de jogar? (pode escolher qualquer hobbie, atividade física, andar de moto, fazer trilha, tocar em uma banda, etc) Provavelmente sim né? E provavelmente você achava legal ele ter um hobbie e um grupo de amigos nessa atividade e você ainda apoiava ele, participava de algumas programações, perguntou a respeito para ele explicar como é. E tudo bem, não era pra você, você não quis participar de alguma forma, começar a jogar com ele, acompanhar na atividade, assistir ele nas competições, e por aí vai. Então você libera ele para o hobbie, mas aí, depois de um tempo, o hobbie começa a incomodar, você se sente deixada de lado e a culpa passa a ser do hobbie dele, ou porque você acha que ele ame passar mais tempo lá do que com você.

Ah, mas que grande erro! Se você começar a virar uma grande chata, grude, interrompendo, arranjando programações obrigatórias no momento que ele gosta de se distrair, ele vai começar a achar você uma grande chata, vai nas atividades e programações por obrigação, vai jogar na sua cara que foi lá na festa de aniversário da sua tia avó aquele dia, e agora é a vez dele jogar, que ele te acompanhou na abertura daquela exposição que ele odeia, e agora ele vai fazer o que ele gosta. E então vira um grande jogo de eu fui, agora me deixa, não quero sair hoje, não vamos se ver hoje, se vamos sair amanhã, me deixa jogando hoje. E pronto, a relação vira um grande jogo de obrigações. Então o caminho será:1- o fim, desses de briga e muita raiva ou 2- ele vai fazer igual criança mimada que não desgruda e arranjar um desenho ou brinquedo cada vez que ele for jogar, ele te dá o brinquedo e você fica quietinha sem reclamar.

giphy (2)

Entendam uma coisa muito simples, se ele tem uma atividade de hobbie, é o momento de ele aliviar o stress, conversar bobeira com os amigos, esquecer de trabalho, aula, dinheiro, problemas, é o momento dele espairecer completamente. E você não deve ser a única válvula de escape dele para aliviar o stress e esquecer a rotina do dia a dia nunca, ele tem que ter outros momentos para distração também, assim como você também deve ter, sem sombra de dúvida. E por mais que você pense o contrário, a atividade cansa também, ele não vai passar o tempo todo lá, ele pensa em você e sabe da relação de vocês e vai fazer programações com você também. A não ser é claro, que vocês já tenham entrado naquele ciclo que falei antes, das obrigações, nesse caso, provavelmente e por grande parte, birra, ele vai continuar lá por mais 30 minutos, uma hora, pra te enrolar, porque ele simplesmente não tá afim de ficar com você.

Então vamos para algumas dicas. Se você ama ele, ama quem você é com ele, ama a relação que vocês construíram juntos, mas já se vê odiando a atividade dele:

  • Procure uma atividade para se distrair enquanto ele está na dele, ler seus livros, fazer uma aula de algo, encontrar as amigas. Se já moram juntos e ele fica jogando, fique junto, sente ao lado dele, mas faça o que gosta de fazer, se é ver videos no YouTube, pintar as unhas, ler revistas, ver o seriado que gosta e ele não. Qualquer coisa. Lembre que para estar junto, não precisa estar grudado, inventando assunto, ele vai amar que você está perto dele tranquila fazendo suas coisas.
  • Combine horários, se vão fazer algo juntos depois, mas enquanto ele está ocupado, não incomode, não fique interrompendo, você terá seu tempo depois, aproveite quando for seu momento. Pense que se você convidar uma amiga pra bater papo, não vai querer ele interrompendo, chamando atenção, fazendo barulho, você quer falar com sua amiga. É a mesma coisa pra eles.
  • Em uma conversa simples, sem gritos e verdades desnecessárias, comente com ele que você gostaria de passar mais tempo juntos, que você se sente deixada de lado as vezes. Mas não é pra jogar na cara e transformar isso em uma DR, é pra ser um desabafo, pra deixar ele com uma pontada de culpa que ele vai pensar e talvez diminuir o tempo de jogo e dividir com tempo juntos, e não pra ele ficar com raiva da reclamação e ficar pensando nisso cada vez que for jogar.
  • Se ele começou a jogar porque não tinha nada para fazer, e você está afim de fazer algo, não interrompa reclamando que ele foi jogar e que você quer sair, venha com uma programação pronta. Homens já odeiam programações aleatórias (tipo ir no shopping porque sim), mas eles odeiam mais ainda quando a mulher diz que quer fazer algo e fica no “não sei”, “cinema não”, “pizza não”, “não quero isso”, “sei lá”, tenha ideias para decidir juntos.

E não sou machista falando tudo isso para vocês, sou realista e sei (mais ou menos) da natureza dos homens e por dois motivos: 1. Quando adolescente, meu primo e grande amigo, me deu um conselho que guardo até hoje “Nunca peça para seu namorado escolher entre você e o futebol” (pode ser outro hobbie no conselho também) e outro 2. porque meu marido joga e ele conta cada história dos amigos de jogo, de reclamações dos homens, de hábitos deles para a namorada não reclamar, de compromissos obrigatórios para usar como moeda de troca para jogar e que todos reclamam das mulheres que reclamam.

giphy (3)

E fechando o assunto, o jogo não é para sempre, nunca foi, nem será. Se o cara hoje joga futebol 5 vezes na semana ou 3 horas do vídeo game toda noite, logo cansa, e o futebol um dia vira 2 vezes na semana, o vídeo game vai pra 3 horas na semana e por aí vai. E bom, se vocês, juntos, mantiverem uma relação legal e saudável, pode ser pra sempre sim. Basta cada um ter seu espaço, seu hobbie, sua brincadeira e ter seus momentos juntos, de amizade, de brincadeira, de romance, de programa a dois.

Então não esquente a cabeça com o jogo dele, não encrenque com algo que ele gosta tanto, é tipo falar mal da família dele, ele vai odiar ouvir e você vai perder vários pontos com ele. Afinal de contas, ele também deve odiar várias coisas que você faz, não deve gostar de alguns amigos seus e suas manias, mas ele gosta de você, então releva e aceita e não precisa ficar reclamando pra você só para o clima ficar ruim.

Imagem Pinterest - Gifs Giphy

 

Comments

comments

Mari Medeiros

Relações Públicas, fotógrafa, maquiadora, conectada e que gosta de fazer de tudo um pouco pra não cair no tédio.