Segredos de uma Dieta bem Sucedida

Perder, ou melhor, eliminar peso, gordura, ganhar saúde e massa magra vai muito além de uma dieta milagrosa, de cortar pão e refrigerante durante a semana, passa longe das dietas de capa de revista ou da dieta que sua colega fez e funcionou. Para algumas pessoas pequenas mudanças resolve em pouco tempo, mas nem todo mundo tem um metabolismo acelerado e nem todo mundo tem foco perfeito. É preciso de muito mais para mudar como um todo.

Primeiro de tudo, quando pensar em dieta o segredo é: não, não é sofrer, parar de comer tudo que ama (a não ser que você só come lanches e ainda manda tirar o tomate). Se você quer começar, mas já fica triste pensando em não ter mais sua cervejinha, a batata frita, aquela macarronada, e a sobremesa? Como vai viver sem aquela barra de chocolate depois do almoço? Bom, tenho más notícias, você já está começando em pleno fracasso. E sabe porque? Não é só pela vontade não, mas é porque na primeira oportunidade (e que muitas vezes acontece na terça feira – considerando que você começou na segunda) você vai pensar “ah, é só agora, amanhã continuo seguindo na risca”. Porque você não se comprometeu no começo, é muito difícil para você dizer não, e porque afinal de contas, você não aceita que por algum período você seja “infeliz”.

Cuidar da alimentação e seguir a risca uma dieta mais rigorosa por um determinado período, não quer dizer que você nunca mais vai comer o que gosta, o que sente prazer, não quer dizer que você vai passar horas na cozinha preparando um monte de comida. Se você quer realmente perder peso e tem uma meta, vá em frente, não crie tentações e barreiras para alcançar seu objetivo.

Segunda ponto para uma dieta de sucesso é: faça por você! Não é para arranjar um namorado, pra competir com aquela moça que você desgosta, pra esfregar na cara do ex, pra salvar o casamento ou seja lá qual for. É somente por e para você! Sim, se tiver uma motivação extra vai dar um gás, é claro (principalmente na hora que tiver cansando no exercício e não está nem na metade), mas pense sempre em seu bem estar físico e mental.

Você começa a cuidar do seu corpo pra cuidar da sua saúde. A única pessoa que pode te falar (quase mandar) para mudar a alimentação e praticar atividades físicas é seu médico! E acredite nele quando isso acontece, médicos só orientam quando estão realmente preocupados.

Terceiro ponto: peça ajuda. Sim é por você, mas ter apoio é algo incrível. Não saia contando por todos os cantos que está de dieta, que mudou a alimentação, é tipo contar um sonho sabe? Ele não se realiza! Então tenha o apoio de pessoas próximas, ou seja, quem mora com você. – comente com outras pessoas somente quando começar a fazer efeito e elas comentarem algo a respeito. Aprenda a negar comida em eventos e comer antes de ir, de pedir água ou suco quando não puder consumir bebida alcoólica e ter boas respostas para as brincadeirinhas que virão (tá grávida é, não acredito que não vai beber, quer leite, você com água?). A minha dica é ir direto para a desculpa do antibiótico, as pessoas aceitam com mais facilidade que dieta – e se a pessoa for hipocondríaca e quiser o relatório de medicamentos para dar uma de médico e avaliar os reais perigos, seja educada e diga que tudo bem, saia de perto e procure outra pessoa para conversar.

Mas ter pessoas que ama te apoiando é muito importante! Ainda mais no começo quando mais dá vontade de comer, de mudar uma refeição, de beliscar algo, de atacar a geladeira. E sabe o que? Converse antes, não peça pra elas mandarem, proibirem nem nada disso, mas quando perceberem qualquer sinal de ansiedade ou de desejo de sair da linha, pra inventarem algo, mudarem a rota da alimentação, de pensarem em um jantar que caiba na sua dieta. Como exemplo, no começo meu marido não bebia vinho, pedi para ele e pronto; e quando eu estava irritada e estava presentes a jogar um monte de porcaria na panela ou montar um pão com qualquer coisa dentro, ele tomava a frente e já pensava em algo, assim eu não caía em tentação de preparar alguma coisa “errada”. Depois de se alimentar fica mais fácil pensar com clareza!

O que me leva ao quarto ponto: nunca chegue a ficar com fome! Se vai sair o dia todo, tenha na bolsa água e pacotinhos separados de lanche e barrinhas de cereal (mas das boas, nada dessas industrializadas que de saudável não tem nada), tenha potinho de frutas e cereais, e aprenda a direcionar a área certa das lanchonetes para o que realmente precisa comer, não no mais prático. Não é tão difícil comer uma salada de frutas no lugar do salgado assado sabe? E não pense que só porque não teve tempo de almoçar e lanchar que na janta você comer pelas três refeições!

Pense sempre adiante da fome, se sabe que a fome vai bater perto das 20 horas, comece a preparar seu jantar antes. Isso porque se você for para a cozinha somente as 20 horas mesmo, ou vai estar morrendo de fome e vai ficar beliscando tudo que tiver de fácil até a comida ficar pronta ou vai pegar o que for mais rápido porque não quer esperar muito tempo – muito conhecido como macarrão instantâneo. Se tem dificuldade em pensar no que preparar na hora, crie o hábito de planejar as refeições da semana – é ótimo para economizar tempo e dinheiro!

Quinto ponto: mantenha uma agenda ou diário. Não precisa anotar exatamente tudo que come (se for melhor para você faça isso), mas anote sempre quando comer algo fora do plano alimentar. Se comeu uma coxinha na festa do sobrinho, se comeu uma fatia de pizza com os amigos no final de semana, se arriscou um pedaço de bolo no café com a amiga. Melhor ainda se for em um calendário que você tenha vista várias vezes ao dia, dessa forma, consegue visualizar quando fugiu, mesmo que seja um belisco sem culpa. Com o tempo, reparei que eu tinha a tendência de acreditar que fazia tudo certo, que raramente comia fora da linha, mas na verdade eu apagava da memória ou me fazia acreditar que fazia tempo que não tinha feito nada errado – na verdade as vezes reparo ainda hoje esse tipo de comportamento, comprometendo a fase da dieta que me encontro.

Sexto ponto: tenha profissionais ao seu lado que você realmente gosta. Não vá a uma nutricionista porque é parente ou porque fulana vai e deu certo. Vá e continue indo porque juntos você terão sucesso. Não contrate um personal porque é amigo do amigo, mas porque é o estímulo que precisa, é um profissional capacitado e que vai olhar por você e ajudar sempre. Não faça acompanhamento com um médico ou até mesmo um psicólogo porque é o mais perto, o mais fácil, mas porque você percebe que ele está focado em te ajudar mesmo.

Ter profissionais que “o santo bate” é a melhor coisa! As consultas viram conversas, aulas, confidências e você é ajudado sem achar ruim, sem achar que estão fazendo sofrer, sacrificando, que não te entendem.

Sétimo ponto: leve a risca, sem fugir, sem beliscar por um mês pelo menos, ou até se sentir confortável. O foco no começo é bem turvo, é aquela vontade de desistir, mas de querer ao mesmo tempo. E se lá você encarar algumas escapulidas estraga tudo, juro! Então minha dica é focar MUITO por pelo menos um mês. Encarar o mau humor, ficar em casa, evitar vídeos de receitas, páginas de receitas e buscar coisas para assistir que não te levem a querer comer o que tiver por perto.

Acredite em mim nessa parte! No primeiro mês, não fui ao cinema, não ia ao shopping e ouvia mais música a noite no lugar de ver TV. Porque reparei que rodar as redes sociais só tinha foto de comida, video de receita, propaganda de restaurante. Na TV, parece que todos os comerciais eram sobre comida, todas as cenas de filme, novela e seriado eram de comida. Isso me deixava super frustrada! Então evitei, mesmo. Achei melhor para mim. Por sorte não tive nenhum evento social, e o pouco que tive me preparei antes, refeições e até mesmo em um churrasco levei meu potinho de salada.  Com o passar do tempo (e os resultados se tornando aparentes) o foco vai ficando mais claro, a irritação alivia e muita coisa fica mais fácil.

Oitavo: inove, o tempo todo! No papel da nutricionista pode estar escrito carne e legumes, o que não quer dizer que é um frango grelhado e legumes no vapor o tempo todo. Leia além disso e crie uma torta com frango desfiado e legumes picados pequenos, procure os farináceos que pode usar, use pouco e crie um suflê; faça como se fosse uma comida chinesa, umas gotinhas de óleo de gergelim, cebola, tudo em tiras; veja que molhos pode usar, outros ingredientes que são liberados como alho, cebola, molho de soja, limão, alho poró, cebolinha, salsinha. Aprenda a variar na cozinha sempre, em várias refeições, principalmente naquelas que está mais irritada e querendo só cozinhar um macarrão rápido que não é preciso pensar.

Use  a internet a seu favor nesse caso. Encontre receitas no Pinterest, blogs com receitas que se encaixam a sua fase da dieta. Até mesmo com receitas doces para matar a vontade que dá de uma hora pra outra. Não se prenda a uma caixinha quadrada de menu da dieta porque se ficar na salada com frango grelhado, em no máximo 15 dias vai estar atacando a geladeira, a padaria da esquina e batendo na porta dos vizinhos que fazem comida cheirosa.

Prove novos sabores, novos temperos, novas misturas.

Ter prazer em comer a sua comida, uma criação tua, ver que mesmo com ingredientes limitados você conseguiu se alimentar de algo gostoso, é maravilhoso. É claro que no caminho algumas receitas podem não dar tão certo, não ficar tão gostoso; outras vai ficar tão gostoso que quem mora com você vai querer comer também.

 E acho que é isso. Testadas e comprovadas por mim! É um momento importante, se você considerá-lo importante, se levar a sério. Lembre que você está investindo tempo e dinheiro seu e de outras pessoas nessa fase. Comprando produtos e ingredientes diferentes que está acostumada, especialistas dedicando tempo para você obter os melhores resultados, mudando sua rotina, seus hábitos.

E quando começar, crie metas, mas baseadas somente em você, não mire no corpo da Beyonce ou da Gisele Bundchen se teu esteriótipo não passa nem perto. Tenha como base uma roupa antiga que quer voltar a usar, um peso que já teve alguns anos atrás ou ainda, crie uma bonificação, como um ensaio fotográfico, uma lingerie nova, uma viagem, enfim, o que você mais sonha.

E entenda que não é uma fase de sofrimento, castigo, provação, mas de aprendizado, auto conhecimento, de mudança para seu bem estar, sua auto estima! E acredite em mim quando digo que vai valer a pena.

Comments

comments

Mari Medeiros

Relações Públicas, fotógrafa, maquiadora, conectada e que gosta de fazer de tudo um pouco pra não cair no tédio.

Leave a Reply