Sobre minha visão de amor, minha visão de amar <3

Tenho uma teoria pessoal de que sou uma pessoa romântica incorrigível, mas super fria e com pés no chão.

Então eu tive sim paixonites, tive namoros bobos, um namoro louco e que me consumia, mas em nenhum momento eu deixei de me cuidar, me preservar, nunca engoli sapo ou aceitei homem que manda e escolhe a cor do meu batom, do meu esmalte. Então aos poucos, entre amores, decepções, aprendizados e observação de comportamento de outros casais, eu fui moldando a minha forma de ver o amor, de ver a relação entre duas pessoas e de como eu gostaria de viver isso.

E de algumas coisas eu tinha certeza: amor não é controlar e vigiar a vida do outro, não é um jogo, não deve ser difícil, deve ter sinceridade e companheirismo e ainda deve ter espaço, sem grudar, sem sufocar. A partir disso, a vida, o vento, Deus, deuses, astros, santos e o destino colocou em meu caminho uma pessoa que me mostrou muito além do que eu já tinha aprendido e decorado sobre o amor. E não foi uma história diferente de muitas outras, não teve aquele começo surpreendente ou diferente, nada além de: viramos amigos na faculdade, apoiamos um ao outro em seus términos de namoro e aí nos aproximamos mais.

O que consigo ver hoje, quase 10 anos depois, é que eu ainda estava em processo de aprendizado, eu me achava durona, longe de querer amar e ser amada, sou feliz sozinha e vou curtir a vida. E ele me prometendo amor. Até que um dia decidi parar de lutar e aceitei o que poderia ser. E foi! E tem sido.

Eu, sempre tão fechada, tímida, sem saber me abrir ou conversar sobre intimidade, daquelas perturbadoras, medos, sonhos e desejos, e ele tava ali, arrancando tudo de mim, lendo meus olhos, minha alma, meu coração. Sem julgar, sem criticar, mas se abrindo comigo. E então eu conheci uma amizade a prova de tudo, ele se tornou meu melhor amigo, meu fiel confidente.

Talvez aos olhos de muita gente não somos um casal normal ou comum, não ficamos nos beijando em público, nem mesmo em roda de amigos; não existe briga, em 10 anos brigamos apenas uma vez; não damos perfume um ao outro – ele nunca deixou, aprendeu uma vez a lenda e aceitou como regra (tem dado certo); não mexemos no celular do outro, nem no email; conversa séria é entre paredes, nada de DR em público; se eu vejo uma mulher bonita ou gostosa, eu aponto e falo pra ele, isso não quer dizer que sou liberal, mas acredito que isso não faz de mim ou dele uma má pessoa e infiel.

E já tivemos problemas, entre nós, em família, financeiro, pessoal, emocional, de todo tipo, mas sempre escolhemos enfrentar de frente.

E talvez por isso a decisão de casar tenha sido tão simples, tão fácil. Não tinha dúvida ou nervosismo porque aquilo depois de uns dois anos de namoro, já tínhamos certeza que era pra ser, o que estávamos construindo juntos era a nossa visão de perfeito. O que não quer dizer que seja, nem nunca vai ser, mas é a nossa versão, a nossa bolha de amor. 

Então hoje, em pleno Dia dos Namorados eu venho encher essa página de letras e escritas, falar um pouco do meu amor de coração, um pouco da nossa história. E dizer que para nós, é muito além da data comercial, não precisamos ficar surpreendendo com presentes caros, mas sim com cartas escritas à mão, bilhetes cheio de palavras bonitas, se escolhemos um presente, independente de valor monetário, temos o valor sentimental, porque ele é escolhido a dedo, geralmente é pensado com carinho, sem lista, sem pedido. E tem sido assim, nesse 9° dia que passamos juntos (10 anos de namoro é só em outubro) e que sejam nos próximos. Comemorar o dia dos namorados, é mais um dia de demonstrar amor de diferentes formas que já demonstramos em domingos, segundas, aniversário de namoro, em café da manhã e jantar.

Então, se você está lendo e chegou até aqui, no final do texto, saiba que pra mim, amor deve ser como respirar, como cantar uma música que gostamos, como comer o prato favorito e como beber um copo de água quando se tem sede. Deve ser fácil, feliz, prazeroso, deve preencher lacunas falhas em nosso ser, deve ser engrandecedor, nos tornar uma versão melhor de nós mesmos sem querer mudar a essência. E acima de tudo, nunca deve se perder o amor próprio.

Para o meu amor: Obrigada por amar, no romantismo e na tpm. Feliz dia do amor, feliz dia de amar. 

Para quem tá aí, do outro lado lendo: Feliz dia dos Namorados, namorando ou não, aprendendo a ser feliz sozinha, enfrentando um fim de relacionamento, uma perda, sofrendo ou sem tempo porque trabalha de mais. Espalhe amor de qualquer forma hoje – dentro de você e para o mundo!

Comments

comments

Avatar

Mari Medeiros

Relações Públicas, fotógrafa, maquiadora, conectada e que gosta de fazer de tudo um pouco pra não cair no tédio.